Nas- Últimas Notícias

Retrospectiva NASCAR 2019 – Parte 2 (Fontana, Martinsville, Texas e Bristol)

Como vimos no texto anterior desta retrospectiva (parte 1), que pode ser acessada através do link, RETROSPECTIVA NASCAR 2019 – PARTE 1 (DAYTONA, ATLANTA, LAS VEGAS E PHOENIX), Denny Hamlin, Brad Keselowski, Joey Logano e Kyle Busch venceram uma etapa cada cada um, em defesa das equipes Penske/Ford e Joe Gibbs/Toyota.

Revisão Francisco Brasil

Em um campeonato absolutamente aberto e que já prometia ter uma disputa acirrada, o espetáculo da NASCAR ruma para o estado da Califórnia para correr a sua 4ª etapa no oval de 2 milhas de Fontana, também conhecido como Auto Club Speedway, no dia 17/03.

Naquela ocasião, a mídia inteira voltava os olhos para Kyle Busch (18), uma vez que aquela era a chance do mesmo de obter sua vitória de número 200 na NASCAR.

Contudo, Kyle Busch partia da 3ª colocação, sendo que Austin Dillon (3) havia cravado a pole position e largou na posição de honra do grid.

Fonte: Divulgação/Internet

Kevin Harvick (4) ainda assumiu a liderança pouco depois da largada, contudo, não muito tempo depois, foi superado por Kyle Busch (18) que, sem maiores transtornos, venceu o primeiro segmento da prova, que terminou antecipado por conta de uma rodada na pista por parte de Rick Stenhouse Jr. (17).

Fonte: Divulgação/Internet

Dominante e com um grande equipamento, o piloto do Toyota Camry nº 18 se manteve na liderança e venceu também o segundo estágio da competição.

Contudo, após seu pit stop Busch excedeu o limite de velocidade nos boxes e foi punido pela NASCAR, sendo obrigado a relargar no final do pelotão.

Enquanto isso, a liderança da prova se alternava entre Brad Keselowski (2), Ryan Blaney (12) e Joey Logano (22), todos da equipe de Roger Penske.

Com uma estratégia diferente, Busch se manteve na pista por mais tempo, até que Bubba Wallace (43), causa mais uma amarela por conta do estouro do pneu dianteiro esquerdo de seu carro.

Assim, em um dia mágico e com uma recuperação sensacional, o piloto do Toyota Camry nº 18 estava novamente na liderança, para não mais perde-la, cruzando na frente a linha de chegada e conquistando seu segundo triunfo no campeonato, de forma consecutiva, e realizando o grande e importantíssimo sonho da vitória 200 na NASCAR.

Fonte: Divulgação/Internet

Em segundo lugar chegou o atual campeão Joey Logano (22) e, em terceiro, seu companheiro de equipe Penske e também campeão da temporada de 2012, Brad Keselowski.

Como dito, esta foi a segunda conquista de Kyle Busch nesta temporada que, vinda de forma consecutiva, o levou ao sensacional número de 2 centenas de vitórias na NASCAR, reunindo suas 3 principais categorias (Monster Cup, Xfinity Series e Truck Series).

Os comparativos desta fabulosa conquista com os feitos do passado de Richard Petty foram inevitáveis, o que foi tema da parte final do texto do PLANETA VELOCIDADE sobre esta etapa, que pode ser revisto através do link NASCAR MONSTER CUP – FONTANA É PALCO DA VITÓRIA DE NÚMERO 200 DE KYLE BUSCH!.

Encerrada a prova e vividas as comemorações, a NASCAR deixa este longo circuito da Califórnia para se dirigir ao pequeno e tradicional oval de apenas 0,5 milhas de Martinsville, no estado da Virgínia, onde seus pilotos disputariam uma prova com nada menos do que 500 voltas!

Também conhecido carinhosamente como o clip de papel, Martinsville existe no calendário da NASCAR desde o ano de sua estreia, em 1949 e é um desafio para ninguém botar defeito.

Fonte: Divulgação/Internet

Ainda sobre Kyle Busch (18), nesta etapa o mesmo comemorava a sua corrida de número 1.000 na NASCAR, reunindo as suas três principais categorias (Monster Cup, Xfinity Series e Truck Series).

Fonte: Divulgação/Internet

Após os treinos classificatórios, a pole position da prova ficou por conta do campeão Joey Logano, em seu Ford Mustang nº 22 da equipe Penske.

Contudo, o carro e o piloto de Roger Penske que realmente se destacaria nesta 5ª etapa da fase regular do campeonato era o outro campeão, Brad Keselowski (2), que, ainda na volta de número 7, já superava Joey Logano e assumia a liderança da prova, vencendo os dois primeiros segmentos.

O jovem Chase Elliott (9) que tinha o melhor posicionamento dos carros da Chevrolet foi o único que efetivamente ameaçou o domínio de Keselowski, chegando a ultrapassá-lo de forma brilhante, assumindo assim a dianteira da prova.

Fonte: Divulgação/Internet

Contudo, após uma bandeira amarela, Keselowski, nos boxes, ultrapassa Elliott e reassume a liderança, para não mais perdê-la e, ao fim, conquistar a sua segunda vitória da temporada.

Fonte: Divulgação/Internet

Em segundo lugar cruzou a linha de chegada Chase Elliott (9) e, no terceiro posto, atingiu a meta em sua milésima corrida, Kyle Busch (18).

Como de costume, Keselowski recebeu o tradicional troféu dado ao vencedor de Martinsville que, em verdade, é um belíssimo relógio carrilhão, chamado pelos norte-americanos de grandfather clock.

Fonte: Divulgação/Internet

Como a NASCAR não descansa, o domingo do dia 31/03 era novamente data de corrida, desta vez no oval de 1,5 milhas do Texas, com 500 milhas de extensão.

Matando as saudades de seus fãs e mostrando uma boa reação da Chevrolet, o heptacampeão Jimmie Johnson (48) surpreendeu a todos e cravou a pole position para esta etapa.

Fonte: Divulgação/Internet

Após a largada, Johnson se manteve firme na liderança, sobrevivendo, inclusive, à bandeira amarela provocada pela rodada de Erik Jones (20), na volta 14.

Fonte: Divulgação/Internet

Após 59 voltas, Johnson foi finalmente ultrapassado por Joey Logano (22) que, sem maiores dificuldades, venceu o primeiro segmento da competição.

Denny Hamlin (11), que havia sido punido por excesso de velocidade nos boxes durante o primeiro segmento da prova, consegue recuperar a sua volta com relação aos líderes após uma bandeira amarela provocada após um toque no muro por parte do piloto do Chevrolet Camaro nº 42 da equipe Chip Ganassi, Kyle Larson.

Fonte: Divulgação/Internet

Sem trocar pneus, Hamlin assume a liderança e se mantém firme, até cruzar receber na frente a bandeira quadriculada verde e branca, vencendo o segundo segmento da corrida.

Mesmo com uma recuperação fantástica, Hamlin sofre uma outra punição, por conta de um pneu descontrolado em seu pit stop, obrigando-o a relargar no final do pelotão.

Com um ritmo muito forte, fazendo ultrapassagens e se aproveitando das falhas e problemas dos demais pilotos, Hamlin vinha conquistando várias posições, até que, após o término último ciclo de paradas estava finalmente de volta a liderança da prova, para não mais perde-la.

Assim, pela segunda vez na temporada e depois de todos os percalços, Denny Hamlin (11) vencia a etapa do Texas com o seu Toyota Camry da equipe de Joe Gibbs.

Fonte: Divulgação/Internet

Na segunda colocação cruzava a linha de chegada o piloto do Ford Mustang Clint Bowyer (14) e, em terceiro, seu companheiro de equipe, o mexicano Daniel Suarez (41).

Já na semana seguinte, o espetáculo da NASCAR se dirige novamente para o último grande coliseu, no pequeno oval de 0,5 milha de Bristol, no Tennessee, para que fosse disputada a 8ª etapa da temporada, em uma prova que também contava com nada menos do que 500 voltas!

Fonte: Divulgação/Internet

Nesta meia milha mais rápida do mundo, quem melhor dominou a classificação foi Chase Elliott (9), conquistando a pole position partindo da posição de honra do grid de largada.

Logo no início da corrida, Kyle Busch (18) se envolveu em um acidente com os pilotos Aric Almirola (10) e Rick Stenhouse Jr. (17), causando a primeira bandeira amarela da prova e o fazendo perder voltas com relação ao líder.

Fonte: Divulgação/Internet

Da mesma forma, Elliott vinha mantendo a liderança, até se envolver em um toque com Ryan Preece (47), rodar e provocar outra neutralização.

Fonte: Divulgação/Internet

Com tudo isso, e por conta de estratégias e pit stops, Ty Dillon (13) e Clint Bowyer (14) iniciaram um duelo emocionante pela primeira colocação, que só terminou quando os mesmos, muito próximos, cruzaram a linha de chegada do primeiro segmento, conquistado por pouco por Dillon.

Fonte: Divulgação/Internet

Joey Logano (22) e Brad Keselowski (2), ambos da equipe Penske, travaram uma forte disputa pela liderança da prova no segundo estágio da competição que, ao final, acabou mesmo sendo vencido por Logano.

Kyle Larson (42) e William Byron (24) se envolvem em um acidente e, mais uma vez, obrigam o acionamento da bandeira amarela no circuito.

Fonte: Divulgação/Internet

Kyle Busch vinha recuperando rapidamente o terreno e o tempo perdido por conta do acidente que sofreu, até que, quase no final da prova, Kyle Larson (42) foi para o muro e causou outra bandeira amarela, levando vários pilotos a buscar novamente os boxes para troca de pneus e reabastecimento.

Contudo, Busch, inovando na estratégia e arriscando tudo, blefa e permanece na pista e assumindo a liderança da corrida.

Fonte: Divulgação/Internet

Suportando bem a largada e depois de todos os percalços pelos quais passou na prova, em uma recuperação incrível e digna das provas da NASCAR, Kyle Busch (18) cruza na frente a linha de chegada e vence a etapa de Bristol.

Fonte: Divulgação/Internet

Na segunda colocação completou seu irmão, Kurt Busch (1) e, em terceiro, Joey Logano (22).

Assim, a este ponto do campeonato, Kyle Busch (18) já havia faturado 3 triunfos, Denny Hamlin (11) e Brad Keselowski (2) dois e Joey Logano (22), um.

Vale reparar que, até então, apenas as equipes Joe Gibbs e Penske haviam conquistado vitórias neste campeonato, com dois de seus pilotos, cada uma.

Contudo, nada havia sido decidido e muita coisa ainda estava para acontecer, mas isso é assunto para a 3ª parte da retrospectiva 2018 do PLANETA VELOCIDADE.

Voltamos em breve.

Até lá!

Alex Leonello Teixeira
Twitter: @alexleonello
Foto destaque Divulgação/Internet

One Response

  1. Ótima matéria…como sempre! É o já conhecido padrão “Alex Leonello de qualidade”, ou seja: fatos verídicos, sem mi-mi-mi, comentários tendenciosos ou dor de cotovelo. Parabéns equipe do Planeta, vocês são fo**

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *